RELAÇÃO DA MATURAÇÃO BIOLÓGICA COM VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E RESISTÊNCIA INTERMITENTE DE JOVENS FUTEBOLISTAS

Guilherme Borsetti Businari, Felipe Ornelas, Danilo Batista Rodrigues, Vlademir Meneghel, André Luiz Berzoti Ribeiro, Rodrigo Dantas, Adriano Alves Rocha, Charles Ricardo Lopes, Marlene Aparecida Moreno, Tiago Volpi Braz

Resumo


O objetivo do estudo foi investigar a relação entre maturação biológica, modulação parassimpática da frequência cardíaca e teste de resistência intermitente em jovens jogadores de futebol. Participaram do estudo 23 jovens futebolistas (15,3 ± 1,1 anos, 175 ± 6 cm, 64 ± 7 kg) das categorias sub15 e sub17 de uma equipe da 1ª divisão do campeonato paulista. O estado maturacional foi determinado pela idade do pico de velocidade de crescimento (PVC), usado como indicador relativo de maturidade somática e são calculadas através das medidas de estatura, altura tronco-cefálica, comprimento das pernas, massa corporal e as dobras cutâneas. As medidas de variabilidade da frequência cardíaca (VFC) foram obtidas em repouso durante 5 minutos e, posteriormente, analisadas pela variável raiz quadrada da média dos quadrados das diferenças entre intervalos RR normais adjacentes (rMSSD). Os indivíduos realizaram o teste de resistência intermitente, Yoyo intermittent recovery test level 2 (YIRT 2), após as medidas de VFC terem sido obtidas. Os resultados do presente estudo mostram que não há relação entre modulação parassimpática da frequência cardíaca (rMSSD = 57,4 ± 26,4 ms) e o estado de maturação biológica (0,67 ± 0,81 anos) dos jovens futebolistas (r= 0,30; p=0,163), enquanto que o teste de resistência intermitente (YIRT 2= 658 ± 151 m) possui uma grande correlação com o pico de velocidade de crescimento (r= 0,71; p< 0,001). A modulação parassimpática da frequência cardíaca possui grande correlação com o teste de resistência intermitente dos jogadores (r= 0,54; p= 0,007). Conclui-se que a utilização da idade do PVC e da VFC como indicador de desempenho no YIRT2 em jovens futebolistas.

Palavras-chave


Pico de velocidade de crescimento; Variabilidade da frequência cardíaca; Resistência intermitente.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v27i3.10027

R. Bras. Ci. e Mov./ Brazilian Journal of Science and Movement