Dossiê Comunicação infamiliar

2023-12-14

Chamada do dossiê Comunicação infamiliar

 

No ensaio Das Unheimliche (1919), O Infamiliar, Sigmund Freud aborda a condição humana e a estética a partir de dois sentimentos simultâneos: pertencimento e estranhamento, que estão imbricados e são indissociáveis civilizatoriamente, pois uma mesma palavra contém o conceito e sua negação, o dentro e o fora. Ampliando a interpretação sobre O Infamiliar, propomos um dossiê que tem o objetivo de reunir novas perspectivas epistemológicas para a área de Comunicação.

Para isso, prevemos três panoramas de diálogo.

1) A razão digital contemporânea, expressa pelo big data, atua pela quantificação do mundo e do outro, incorporando um fantasma já conhecido, o do conhecimento absoluto. A partir da análise dos dados, a alteridade é retirada do mistério, predizendo uma governança pela transparência, despida de ética e de política. Neste contexto, as plataformas de redes sociais digitais se apresentam como ambientes relevantes para a configuração de subjetividades orientadas pela visceralidade dos discursos e pelo tribalismo identitário (Mbembe). A desestabilização dos consensos e a depreciação da negociação pública das diferenças são elementos que compõem a crise da democracia (Cesarino; Sodré).

2) Esse diagnóstico tem gerado estudos que deslocam a imaginação política para outros projetos civilizatórios, como o dos povos originários, africanos, quilombolas e orientais, incluindo sua dimensão tecnológica (Krenak; Mbembe; Hui). Além disso, inteligências não-humanas (animais e plantas) são descobertas e revalorizadas (Mancuso; Coccia; Haraway), propondo novas práticas e epistemes comunicativas.

3) A comunicação pelas obras literárias é infamiliar na medida em que faz parte de uma aliteratura (Kristeva) ou de um regime pós-literário (Sloterdijk), no sentido da desconstrução contínua de estilos, da métrica e da escrita. É feita pela alquimia do verbo (Rimbaud) e por viveiros de sons (Artaud). Ela também é agramatical e compõe a galeria de uma arte da revolta, manifestada por uma legião de agramáticos, afásicos sapiens demens: Van Gogh, Bispo do Rosário, Orides Fontela, Antonin Artaud, Honoré de Balzac, entre outros.

A partir dos cenários acima descritos, o dossiê “Comunicação infamiliar” reunirá artigos decorrentes de pesquisas sobre:

  • Razão digital, governança algorítmica e subjetividades digitais;
  • Arte, literatura e comunicação;
  • Animais, plantas, máquinas e novas relações com inteligências humanas e não-humanas.

Prazo de submissão: até 10 de julho de 2024

Estimativa de publicação: dezembro de 2024

 

Organizadores:

Prof. Dr. Alex Galeno (UFRN)

Prof. Dr. Fagner França (IFMG)

Prof. Dr. Jadson Maia (UFRN)

Prof. Dr. Lucas Fortunato (UFRN)