As aporias do tempo borgeano

Autores

  • Gabriela Freitas

DOI:

https://doi.org/10.31501/esf.v0i14.10879

Resumo

Como acolher, em um só instante, a experiência do momento e a memória? A fotografia, ao reter uma determinada fração do tempo e do espaço, cria uma imagem de mundo a partir da qual é possível engendrar inúmeras narrativas que remetem a experiências de temporalidades diversas, intensificando a ambígua relação entre real e ficção. É no âmbito da narrativa, especialmente na obra de Jorge Luís Borges, que encontramos a possibilidade de fundir os tempos histórico e ficcional, aparentemente contraditórios, e nos aproximarmos de uma compreensão do instante na qual, a partir de uma experiência do devir, oscilante entre o tempo cronológico e o tempo poético, seja possível unir o que a especulação científica separa. Para Ricœur só há tempo pensado quando há tempo narrado, pois só a poética da narrativa conseguiria abarcar as aporias do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-08-13

Como Citar

Freitas, G. (2019). As aporias do tempo borgeano. Esferas, (14), 129-139. https://doi.org/10.31501/esf.v0i14.10879

Edição

Seção

Visualidades