Imersão digital e o desaparecer de si: entregar-se às águas do rio Lete

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31501/esf.v1i24.13818

Resumo

A partir de dados empíricos levantados pelas áreas de educação e saúde, o texto apresenta uma reflexão teórica acerca do quadro radical de imersão digital da sociedade contemporânea, propondo uma reflexão acerca dos impactos desse fenômeno na propriocepção corporal, incidindo nos processos imaginativos, de memória, de consciência e de identidade, gerando um quadro comportamental que tem sido designado como cansaço (Han, 2015), sedação (Baitello, 2012), ou ainda desaparecimento de si (Breton, 2003).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Malena Contrera, UNIP

Malena Contrera é professora titular do PPGCOM da Unip e líder do Grupo de Pesquisa em Mídia e Estudos do Imaginário. É também analista junguiana e pesquisadora Pq do CNPq.

José Luiz Balestrini Junior, Universidade Paulista

José Balestrini é especialista em Psicologia Junguiana e Psicossomática, docente do Instituto Junguiano de Ensino e Pesquisa e Mestrando do programa de Comunicação e Cultura na UNIP.

Regina Nicolosi, Universidade Paulista - UNIP

Doutora em Comunicação pela UNIP - Universidade Paulista, com bolsa CAPES - PROSUSP (2021). Mestre em Comunicação pela UNIP - Universidade Paulista (2018). Especialista em Voz pelo CRRa ((2004). Possui graduação em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1986) e graduação em Psicologia pela UNIP - Universidade Paulista (2015).

Downloads

Publicado

2022-08-16

Como Citar

Contrera, M. S., Balestrini Junior, J. L., & de Oliveira Santos Nicolosi, R. H. (2022). Imersão digital e o desaparecer de si: entregar-se às águas do rio Lete. Esferas, 1(24), 100-122. https://doi.org/10.31501/esf.v1i24.13818

Edição

Seção

Mito e Comunicação Digital