Acerca da correspondência entre percepção visual e gustativa

Guilherme Lobão de Queiroz, Nicola Perullo

Resumo


Este artigo trata do paradoxo de como uma experiência visual pode interferir na do paladar e vice-versa, considerando a história moderna que estabeleceu a arte ou a estética em sentido mais amplo como categorias a serem sentidas de modo privilegiado pelo aparado da visão e da audição. Embora haja uma crescente proliferação de imagens visuais, a gastronomia e gosto exercem um papel eminente neste processo. Considerando isto, uma imagem visual não é única e pode adotar diversas formas: uma série de sinais escritos é uma imagem visual tão legítima como uma fotografia, uma pintura e uma linha desenhada na areia. A partir de uma desconstrução da hierarquização dos sentidos ditos inferiores (olfato e paladar), observa-se as implicações das informações visuais em relação à experiência do paladar, bem como a relevância do paladar para a experiência gastronômica nivelada à percepção de uma arte estética determinada justamente pelo gosto, sem prescindir dos demais sentidos.


Palavras-chave


Percepção; Gosto; Visão; Estética; Comida

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31501/esf.v0i15.10532

DIADORIM  DOAJ  Latindex  LIVRE  Portal Capes

E-ISSN 2446-6190

REVISTA B2 (Qualis CAPES 2015)